Técnica é muito utilizada em tumores de próstata, mas pode ser empregada para câncer de mama, pulmão e cérebro 

Reduzir pela metade o número de sessões de radioterapia e afetar ainda menos os órgãos próximos ao tumor são alguns dos objetivos do hiprofacionamento, técnica que aumenta a radiação e reduz a quantidade de radioterapias.

No Brasil, o Hospital do Câncer Mãe de Deus foi o primeiro a adotar a prática como rotina para todos os pacientes acometidos por câncer de próstata. Os pacientes são submetidos a exames diários de imagem para posicionar corretamente o alvo do tratamento.

O hipofracionamento reduz pela metade o número de sessões de radioterapia. Um indivíduo com câncer de próstata, por exemplo, faz 20 sessões em vez de 40.

— É tendência mundial da radioterapia: tratamentos de alta precisão, com doses mais altas por aplicação, em períodos mais curtos — diz o radio-oncologista Fernando Obst, coordenador do setor no Mãe de Deus.

Seguindo protocolos internacionais, o método já é empregado pela instituição no combate ao câncer de mama, pulmão e tumores cerebrais.

— Até mesmo para metástases, em quadros mais avançados, a radioterapia tem papel importante no alívio de sintomas. Pode ser aplicada em um número ultra curto de sessões ou, inclusive, em uma única dose, dependendo da situação. 


Fonte: Zero Hora
Bookmark and Share
Faça parte do movimento TJCC
© 2016 Movimento Todos Juntos Contra o Câncer | Todos os direitos reservados | Desenvolvido pela equipe ABRALE